14,31 

Eu sou a árvore

No seu esperado regresso ao romance, Possidónio Cachapa colhe um livro onde a Natureza e o Homem vivem misturados, moldando-se e afeiçoando-se mutuamente, enquanto o tempo se some como um carreiro de água em terra seca.

«Tal como a mãe, também ela se sentia náufraga à deriva num mar de terra.»

641 em stock

Características
ISBN 9789896650995
Data de publicação Junho de 2016
Edição atual 1.ª
Páginas 352
Apresentação capa mole
Dimensões 150x240x13mm
Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

«Todas as árvores caminham sobre o Tempo, sobre a passagem das estações, porque nenhum outro movimento lhes resta. Existem, simplesmente, pidindo-se entre o corpo visível que se estende à luz e o corpo inferior que vive de forma encoberta. Os seus frutos, contudo, são esperanças perdidas, Verão após Verão. Imagens do desejo de poder ser mais do que braços a estender-se ao céu, ao vento, à impiedade dos pássaros. Da vontade que todo o corpo, o poderoso corpo, pudesse sair da terra, com duas pernas móveis, e a fizesse estremecer de medo quando uma delas voltasse a pousar na superfície.»

Entre os homens e as árvores há tanto em comum que por vezes não se sabe onde começam uns e acabam os outros. Samuel acredita que lhe basta um solo fértil para ser feliz e, sendo-o, permitir que todos o sejam tanto como ele. Mas a mulher sonha longe, os filhos guardam segredos, e a força brutal dos seus gestos de patriarca deixa marcas inesperadas naqueles que ama. No seu esperado regresso ao romance, Possidónio Cachapa colhe um livro onde a Natureza e o Homem vivem misturados, moldando-se e afeiçoando-se mutuamente, enquanto o tempo se some como um carreiro de água em terra seca.

Sobre a obra de Possidónio Cachapa:
«O maior escritor de prosa da sua geração.»
Expresso

«Possidónio Cachapa tem um universo próprio.»
Público

«A arte de Possidónio Cachapa consiste no modo como presentifica os seres e as coisas.»
Urbano Tavares Rodrigues

«Ouniverso de Cachapa move-se nos limites da condição humana. É povoado por personagens ambivalentes.»
Notícias Magazine

«É o realismo, e não a magia, o maior triunfo de Possidónio Cachapa. Não apenas o realismo telúrico da pobreza, do conservadorismo e da exclusão madeirenses, aqui retratado com conhecimento de causa, mas sobretudo o realismo das relações humanas, que já tinha sido o grande motor de A materna doçura. (…) Possidónio Cachapa é um escritor realista, mas o seu realismo é mágico.»
Pedro Mexia, Diário de Notícias (sobre Viagem ao coração dos pássaros)

Do mesmo autor

13,95 

O mar por cima

15,93 

Materna Doçura

14,85 

A Vida Sonhada das Boas Esposas

Outras sugestões

14,85 

As reputações

13,46 

Para Acabar de Vez com Eddy Bellegueule

11,65 

Serotonina (Livro de Bolso)

21,56 

O parque dos cães

11,25 

Os enamoramentos (Livro de Bolso)

19,78 

Reino do Amanhã

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.